Marisa de Araújo Esteves finaliza o seu Doutoramento

Tema: A Novel System to Assist Elders’ Self-care and their Informal Caregivers through Nursing Homes

Autor: Marisa de Araújo Esteves

Programa Doutoral em Engenharia Biomédica

Data: 04/09/2020

Orientadores: José Manuel Ferreira Machado; António Carlos da Silva Abelha

Abstract: Nos últimos anos, dados estatísticos oficiais refletem o envelhecimento da população em todo o mundo. Esta situação acarreta vários desafios à nossa sociedade e temas como a independência e a mobilidade dos idosos se tornam cada vez mais uma situação crítica. Assim sendo, ser dependente num contexto domiciliar é uma situação que merece indubitavelmente mais atenção por parte de entidades de apoio social integradas na comunidade, tais como os lares, uma vez que desempenham um papel fundamental no apoio às famílias envolvidas.

Neste sentido, este estudo destina-se aos idosos dependentes no autocuidado, aos seus cuidadores informais e aos profissionais de saúde que trabalham em lares portugueses e emergiu de modo a apoiar o

autocuidado de idosos e os seus cuidadores informais e fortalecer as estratégias de comunicação entre os

diferentes elementos do público-alvo. Portanto, propõe-se o desenho e o desenvolvimento de um arquétipo de um novo sistema, cujos principais objetivos são de acompanhar, ensinar e partilhar informação entre os seus utilizadores, considerando uma validação médica segura e questões éticas, através de tecnologias

emergentes da informação e comunicação na saúde. Este arquétipo é um reforço, isto é, uma forma de promover e completar o conhecimento e as habilidades para lidar com o bem-estar e a saúde dos idosos e dos seus cuidadores informais. Deste modo, devido às atuais elevadas taxas de ocupação dos lares e aos elevados custos associados, o objetivo é melhorar a qualidade do estilo de vida dos idosos nos seus espaços domésticos, já que eles preferem envelhecer em casa.

Finalmente, os resultados alcançados com esta dissertação de doutoramento são promissores. Algumas das vantagens mais significativas apontadas incluem a redução da distância entre os lares e a comunidade, combater o isolamento social e a solidão dos idosos e dos seus cuidadores informais, proporcionar segurança e proteção, facilitar a mobilidade, uma aprendizagem contínua ao longo da vida com aprovação médica e promover investigação científica na gerontecnologia. No entanto, a modernização e o desenvolvimento organizacional são indispensáveis nos lares antes da possibilidade de utilizar o sistema proposto com sucesso. De facto, a atual falta de enfermeiros que trabalham nestas instituições de saúde e a enorme sobrecarga de trabalho sobre os mesmos impedem o uso iminente do sistema. Por outro lado, a ainda potencial falta de aceitação e o medo de recorrer a novas tecnologias pelos idosos e os seus cuidadores informais também merecem ser destacados. Porém, após estes avanços essenciais, o seu sucesso de implementação é favorável nos próximos anos.

Palavras-Chave: Autocuidado; Cuidadores Informais; Idosos; Lares; Tecnologias da Informação e Comunicação na Saúde.

Share this on: